terça-feira, 29 de setembro de 2009

...: Verdade absoluta :...

Oie! =]

vi este vídeo no blog mulheres com propósitos e gostaria de compartilhar com vocês, amados leitores.



O vídeo faz parte de uma campanha governamental pelo retorno da religião as escolas da Macedônia, feita em março deste ano.

Ouvi certa vez um irmão dizer que a religião é a tentativa do homem chegar a Deus, e Cristo é a ação de Deus para que o homem possa se aproximar dEle. Não me ocorreu, como agora, que esta frase é devida e verdadeiramente apropriada para, também, explicar este vídeo.

Prometo que, oportunamente, falarei sobre o que penso das religiões.

Mas voltando ao bendito, narrado [em voz e legenda] em duas línguas, achei interessante notar que, independentemente da língua e das circunstâncias existentes em qualquer escala [pessoal ou mundial] há uma verdade simples, poderosa e absoluta, expressa na sagaz observação do menino Einstein: a existência de Deus.

E Deus é ainda mais maravilhoso porquê, veja você, com todo o poder que Ele tem, poderia nos obrigar a acreditar nEle, mas não é isto o que acontece. Deus nos deu livre-arbítrio para decidir crer, ou não crer - por isso me soa tão incoerente ver pessoas lutar com unhas e dentes contra alguém que "não existe"...

Há um tempinho, preparei um estudo para compartilhar com os irmãos e visitantes de um novo ponto de pregação, organizado pela igreja onde congrego. Naquela semana, vimos uma grande repercussão [na mídia] da recusa da atriz Hellen Mirren ao convite da rainha da Inglaterra para um jantar no palácio de Buckingham - visto que a atriz ganhara um Oscar pela interpretação da rainha nas telas.


Então, lembrei de Mt 22: 1-14, que fala de uma festa de casamento e dos convites feitos - e especialmente das recusas ao convite. O que me chama a atenção ainda hoje nesta passagem é que, não importa a desculpa ou a recusa, a festa vai acontecer.

E é por isso que as igrejas sérias, comprometidas com o Evangelho de Cristo, e os seus membros, dia após dia, insistem em levar às pessoas o convite que Cristo fez - nós somos somente os empregados, encarregados de distribuir este convite.

Como Cristo, queremos que os convidados participem desta festa, que começamos a celebrar aqui. E celebramos desde já, porque de antemão sabemos que vai acontecer. Simplesmente, porque Deus existe.

Outro ponto que me ocorreu enquanto escrevia é que, assim como a atriz seria homenageada por representar tão bem a rainha para os outros, também nós, crentes em Cristo Jesus, se bem O representarmos [não no sentido de encenar, obviamente] aqui nesta vida, receberemos uma recompensa no céu [como se viver para sempre com Deus Pai e Deus Filho, sem morte, dor, lágrimas, tristezas - cf Ap 21:4 - fosse pouco!] - os galardões.

Não é maravilhoso saber de tudo isto? =]

Amados, meditem em I Tessalonicenses 4: 13 a 18. Encerro este post com este último verso. E que o Senhor Deus, que vive e reina para sempre, possa completar esta mensagem no seu coração.

"Portanto, animem uns aos outros com essas palavras"

Com carinho,

Andreia =]

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

...: Paraíso :..


Oie! =]

Neste domingo (27), tive um estudo excelente na igreja onde congrego, de autoria do Pb Julio Alt, e que compartilho abaixo. Abençoada leitura para vc! ;]

Andreia =]



...: Contrastes entre o paraíso perdido e o futuro paraíso :...

A Bíblia começa com um paraíso - Gn 2: 8 e 15

E encerra com um paraíso - Ap 22


No primeiro paraíso, o perigo de morte era constante - Gn 2:17

No paraíso futuro, existe plena segurança - Ap 21:4, 22:3

No 1º paraíso, a serpente disse: "Se vos abrirão os olhos e como Deus sereis" - Gn 3:5

No paraíso de glória, lemos: "Na sua fronte está o nome dele" - Ap 22:4

Havia a Árvore do Conhecimento do bem e do Mal - Gn 2: 9

No paraíso transformado, os salvos verão Deus face a face - Ap 22:4

O 1º paraíso teve fim através da queda em pecado - Gn 3: 19 e 24

O paraíso de glória espera pelos vencedores para toda a eternidade - Ap 2:7 e 5:10

Havia, no Éden, a Árvore da Vida - Gn 2: 9 [ver v 22-24]

No novo paraíso, a árvore frutificará 12 vezes por ano - Ap 22:2

Do Jardim do Éden, saia um rio, que se dividia em 4 outros rios [dois dos quais ainda existem, e comprovam que o Éden era um lugar físico] - Gn 2: 10 - 14

No paraíso eterno, sairá do trono de Deus, o Rio da Água da Vida - Ap 22:1 [ver analogia em Ezequiel 47: 1 - 12]

No passado, o domínio humano era apenas sobre a terra - Gn 1: 28 - 30

No futuro, o domínio se estenderá por todo o universo - Zc 14:9 [O milênio será aqui na terra, depois aparecerá novos céus e terra, cf Ap 21:4]

No paraíso do Éden, havia um sol criado - Gn 1: 14 - 18

No paraíso de glória, o Deus Eterno será o nosso sol - Ap 22:5

Eis que venho sem demora e comigo está o meu galardão - Ap 22: 12 - 14, 16b, 17

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

...: Cada passo conta :...




Gosta de caminhar? =]

Estou contando os dias para um extenso parque ficar pronto, aqui perto de casa. Entre outras coisas, terá pista de caminhada – que já pratiquei em tempos áureos. =]

À época, lembro de ter lido em alguma revista que era prudente começar devagar, até alcançar um objetivo máximo, compreendendo que cada passo conta.

Em Gn 5: 21 a 24, vemos um exemplo de um homem que caminhou com Deus. Enoque teve preocupação em manter uma boa forma espiritual diante de Deus, através de um relacionamento próximo e constante com o Senhor.

O bisneto de Enoque também andou com o Senhor, como vemos em Gn 6:9. Enoque e Noé são citados, ainda, em Hb 11: 5 a 7, pelos frutos produzidos nesta caminhada: uma fé que agrada ao Senhor.

Para caminhar com Deus, precisamos seguir o Seu ritmo, sem correr a frente, nem ficar para trás. Ao longo do caminho nós (a) conversamos com o Senhor – através da oração, (b) ouvimos o que Ele diz – através da leitura e meditação na Palavra, (c)desfrutamos da Sua presença – a despeito dos nossos sentimentos, pois Ele está conosco todos os dias, até a consumação dos séculos [cf Mt 28:20], (d) confiando na Sua orientação, quando não enxergamos o que está adiante de nós – pois os olhos do Senhor estão em todo o lugar [cf Pv 15:3].

O importante não é somente o destino, mas também a jornada que empreendemos juntos. E não há tempo melhor para começar a caminhada com Deus do que agora, porque a cada dia, cada passo conta.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

...: Vale a pena ver de novo :..


Você tem o costume de rever seus estudos?

Além dos estudos, costumo rever meu diário – que voltei a fazer, depois que fiquei doentinha [tema de outro post, prometo!]

Acho o processo de rever, reexaminar, sempre válido, e importante, para ter uma boa noção de si mesmo – comemorando os progressos, orando e trabalhando pelo que ainda falta melhorar...ou simplesmente para rir! =]

Nestas revisões, achei um estudo que compartilhei com as irmãs em um Chá das Amigas. Espero que seja de bênção para vocês!

Duas primas

Há pouco tempo um certo canal de TV passava minuto sim, e outro também, uma chamada para sua nova novela, que contaria as dores e amores no cotidiano de três irmãs.

O Senhor, neste momento, me trouxe à memória Isabel e Maria, que são primas, e com certeza apresentam uma história bem melhor que qualquer estória de novela – como podemos conferir em Lucas 1: 5 – 45; 56 – 65.

E o que podemos aprender com elas?

  • a desenvolver uma fé singela e sincera a Deus:

    O sacerdote Zacarias, esposo de Isabel, e Maria foram visitados pelo anjo Gabriel e receberam novas extraordinárias [como se a visita de um ser celestial fosse pouco!]. Elas receberam a graça do Senhor Deus e creram – confiaram, acreditaram, sem exigir sinais ou detalhes. [mas Zacarias ficou mudo, até o nascimento do filho – Lc 1: 20]

    Isabel em Lc 1: 5 e 6, e 45 e Maria em Lc 1: 38.

  • crer em Deus e na providência divina, mesmo em meio à confusão, dúvida ou opinião adversa:

    Isabel era avançada em idade, estéril e desprezada por isso, mas não murmurou. Maria era virgem, solteira, e se viu grávida.

    Mas ambas se firmaram na Palavra que receberam.

    Isabel em Lc 1: 13, 25 e 45, e Maria em Lc 1: 38 e 49.

  • obedecer a Deus, desafiando a lógica ou o senso comum:

    A vocação natural das mulheres era a maternidade e, geralmente, os filhos recebiam um nome que marcasse a tradição de sua família, ou que expressasse o desejo de sua família para seu futuro. Mas, Isabel e Maria obedeceram às instruções divinas sobre os nomes dos seus filhos. Isabel em Lc 1: 57 - 63 e Maria em Lc 1: 31 e Lc 2:21.

    João foi chamado profeta do Altíssimo, e Jesus, Salvador, Deus conosco.

  • estimularmo-nos na caminhada com o Senhor:

    Mais do que unidas pelo vínculo sangüíneo, que determinou seu parentesco, Isabel e Maria eram amigas – não conheço histórias de grávidas que se dispusessem a subir uma montanha e ficar por quase três meses sem gostar da pessoa visitada [ainda mais grávidas, que sabemos ficam com emoções à flor da pele, como se diz]- veja Lc 1: 39, 40 e 56.

    Elas se amavam e se admiravam respeitosamente – veja Lc 1: 41 – 45, compartilhavam da mesma fé, estavam cheias do Espírito Santo, e louvavam a Deus por Suas maravilhas – Lc 1: 46 – 55.

    Que exemplo de amizade e amor temos para nos espelhar!

Poderíamos, estudando com mais calma, observar mais qualidades na vida destas mulheres, e assim aprender ainda mais com elas.

Mas, do pouco que vimos, podemos concluir que tudo isto se deve ao fato delas terem depositado suas vidas nas mãos de Deus.

E Deus usou a vida delas para que, até hoje, o povo escolhido de Deus - Israel, e nós – os não judeus, possamos ter vida e esperança: João, filho de Isabel, anunciou a necessidade de arrependimento dos pecados e do perdão destes pecados através de Jesus Cristo, nascido de Maria, que deu Sua própria vida para que pudéssemos nos reconciliar com Deus, e – num futuro cada vez mais próximo – viver com Ele para sempre.

Nossas ações, hoje, também podem ter impacto não somente para o futuro, mas para a eternidade. Mais do que um estudo, quero compartilhar com você, que acompanhou este post até aqui, uma prova da esperança e do amor que só Deus pode oferecer. Para mim e para você.

Querido irmão, oro para que estas palavras possam trazer instrução, conforto e ânimo ao seu coração.

Mas, se você que lê este texto, ainda não aceitou a Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador e deseja fazer isto, fale com Deus agora mesmo! Peça perdão pelos seus pecados, e como sinal de seu arrependimento não volte a cometê-los. Peça para Jesus Cristo ser o Senhor e Salvador da sua vida. Abaixo, segue uma pequena e simples oração que pode auxiliá-lo:

Pai celeste, sei que sou um pecador e que preciso do Seu perdão. Creio que o Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo, morreu na cruz por mim, e agora estou arrependido e disposto a deixar a vida de pecado. Pela fé, convido o Senhor Jesus Cristo para entrar em meu coração e em minha vida como meu Salvador pessoal, e, pela Sua graça, quero seguir e obedecê-Lo como Senhor da minha vida. Em nome de Jesus Cristo eu peço, amém!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

...: No consultório de Deus - 2ª e última parte :...


Tratamentos médicos levam tempo e podem ser muito dolorosos, mas os fazemos porque nosso objetivo é ter a saúde restaurada.

Quando Deus nos restaura, nosso último estado é melhor do que o primeiro, como diz Jó 42:12 a. Para nos restaurar, Deus nos dá Sua própria, infalível, eficaz, viva, inerrante, fiel [e digna de toda aceitação!] Palavra.

Quando um médico nos indica um remédio para ser administrado de 3 em 3 horas, por exemplo, assim o fazemos. Do mesmo modo deve ser com a Palavra - não basta ler, temos que absorvê-la e deixar que ela produza os efeitos desejados na nossa vida.

Voltando a Mateus 6: 9 a 13, vemos:

Deus nos ama com um amor tão grande que nos chama de Seus filhos [I João 3:1], e ainda que Excelso, atenta para o humilde [Sl 138:6].

O Reino de Deus é justiça, paz e alegria [Rm 14: 17], e Sua vontade é boa, perfeita e agradável [Rm 12:2]

O nome do Senhor Deus deve ser honrado, reverênciado. Sua Palavra descreve sobre como Ele é: Salvador [Is 43: 3], Amor [I Jo 4:8], Poderoso [Jr 32:17], Compassivo, Longânimo, Misericordioso, tardio em irar-se [Joel 2:13]...

Nosso Pai celestial sabe que precisamos de comida e de roupas [Mt 6:25] e provê tudo o que realmente precisamos [ Gn 1: 27 a 30, I Tm 6:8]

Quando nos lembramos do perdão que recebemos, conseguimos perdoar [Mt 6: 14 e 15, II Co 2: 11 - Outra razão para perdoar é não deixarmos satanás, com a sua astúcia, obter vantagens sobre nós; pois bem sabemos o que ele está procurando fazer/versão Bíblia Viva].

Deus não nos tenta [Tg 1:13], nós é que nos deixamos conduzir pelos nossos maus desejos. Mas, fiel é Deus, e não nos deixará tentar além do que podemos resistir. Antes Ele nos dá o escape para que a possamos suportar [I Co 10:6]

Porque dEle e por Ele e para Ele são todas as coisas. Glória pois a Ele eternamente. Amém! [Rm 11:36]

No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do Seu poder [Ef 6:10]


Espero que você, amado leitor, tenha saído revigorado deste consultório, disposto a fazer uso da sua medicação corretamente, para desfrutar desde agora uma vida abundante com Deus, nosso Pai e criador, pela graça manifestada em Cristo Jesus, Senhor e Salvador nosso!

Que o Senhor te abençoe e te guarde, em nome de Cristo Jesus! Amém!

Com carinho,

Andreia =]

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

...: No consultório de Deus :... 1ª parte

Tempos atrás li um livro chamado “A psiquiatria de Deus”. Achei um livro muito interessante e esclarecedor, pois seu autor, utilizando a Bíblia – a própria Palavra de Deus – nos mostra como tratar de certas doenças, que embora se manifestem no corpo, começam na mente e perturbam o espírito.

O dicionário explica que psiquiatria deriva de psiquê, que significa a mente, o espírito, a alma. E quem melhor para nos tratar, para cuidar de nós, e tratar nossas feridas – especialmente as da alma, do que o Deus que nos fez?

O autor do livro utilizou três passagens em seu estudo - o Salmo 23, os Dez Mandamentos e a Oração Modelo, ou Oração do Pai Nosso, que está em Mateus 6: 9 – 13, e no qual vamos nos deter, para realizar os exames neste consultório.

Pronto para começar? =]

Pai Nosso que estás nos céus: tenho demonstrado verdadeiramente um relacionamento de filho para com Deus? Diariamente? Estou tão ocupado aqui com as coisas desta vida aqui na terra, que não me dedico a ajuntar tesouros no céu onde o Pai está?

Santificado seja o Teu Nome: tenho honrado o Nome do Senhor, com o qual também sou nomeado? Busco a santificação – separação para cumprir a vontade do Senhor - para a vida que o Senhor me deu?

Venha o Teu Reino, seja feita a Tua vontade, assim na terra como no céu: posso realmente clamar pelo Reino de Deus, se me ressinto ou discuto quando a vontade de Deus é diferente da minha?

O pão nosso de cada dia nos dá hoje: busco me alimentar da Palavra de Deus a cada dia, ou fico comendo pão envelhecido? Desprezo ou não me contento com o alimento de hoje, se este alimento é diferente das minhas expectativas?

Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores: ao dizer esta frase, temos o coração livre de rancor e ressentimento contra àqueles que nos ofenderam, seja em atos, seja em palavras? Conseguimos lembrar, constantemente, do perdão incomparável que recebemos de Deus Pai em Cristo Jesus?

Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal: eu, deliberadamente, me coloco em lugares ou situações onde poderei ser tentado? Tomo cuidado com a influência que as companhias, conversas, que a cultura social, enfim, podem exercer em minha vida?

Porque Teu é o Reino e o poder, e a glória, para sempre: tenho me comportado como um súdito disciplinado e fiel ao seu Rei? Descanso no Seu poder, ou recorro a outros homens na hora da dificuldade? Reconheço a glória de Deus, ou procuro a minha própria glória? O horizonte da minha vida está limitado pelas coisas deste tempo?

Amém [! ou ?]

...: Continua :...

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

...: Chá das Amigas - Conclusão :...


Antes de aceitarmos a Cristo nós éramos como àquela mulher: poderíamos até saber de Cristo Jesus e de Seu poder, mas éramos estrangeiras, estranhas aos olhos de Deus Pai.

Quando esboçamos a intenção de ir ao encontro dEle, podemos encontrar oposição [o pior é quando encontramos oposição dentro da própria igreja], e como reagimos?

Ela nos exorta a não desistir diante da oposição e, principalmente, da falta de resposta - lembra-se que Cristo não a respondeu prontamente?

Outro ponto a observar é que ainda que a primazia da mensagem fosse da "Casa de Israel", o Senhor Jesus caminhou 80 km, aproximadamente, de Genesaré até Tiro e Sidom, fora de Israel. Ou seja, Ele foi para uma região conhecida por ter habitantes estrangeiros [imagino eu que em sua maioria].

Opa! Será que o "GPS" de Jesus falhou? Ele foi parar numa região estrangeira por engano?

Amados, dá para acreditar que Ele não iria atendê-la? Tenho para mim que Ele foi lá somente para atendê-la, porque na continuação da leitura, vemos que Ele partiu para a região da Galiléia assim que falou com a mulher cananéia [Mt 15: 29].

Outra pergunta que não quer calar: como nos comportamos quando Deus não dá a resposta que esperamos? A mulher cananéia persistiu, perseverou. Ela não podia contar com nada - nome, bens materiais, posição social...absolutamente nada, a não ser a confiança de que Cristo era o único capaz de ajudá-la.

Ela se humilhou muito, aos olhos humanos e de Deus, mas ergueu as mãos apresentando uma fé persistente, constante.

Em I Pedro 1: 6c e 7 [Bíblia Viva], podemos deduzir o propósito deste sofrimento na vida desta mulher, e também do sofrimento nas nossas vidas.

"6 - (...) embora durante algum tempo a caminhada aqui na terra seja tão dura.
7 - Estas provações apenas põem à prova a fé que vocês têm, para verificar se ela é forte e pura ou não. Ela está sendo experimentada como o fogo prova o ouro e o purifica - e a fé que vocês têm é muito mais preciosa para Deus do que o simples ouro; portanto, se essa fé permanecer firme depois de ter estado no cadinho das provações ardentes, isto redundará em muito louvor, glória e honra para vocês no dia da Sua volta."

A Bíblia não relata, mas eu creio que esta mulher não deixou de seguir ao Senhor. Aqueles que buscam ao Senhor de todo o coração O encontrarão, conforme está em Jr 29: 13.

Eu creio que esta mulher descobriu o que uma irmã chamada Kathy Trocolli escreveu: "minha circunstância não tem absolutamente nada a ver com o poder de Deus em cumprir a Sua Palavra"


Então, queridos irmãos, vamos continuar buscando e seguindo ao Senhor, seja em circunstâncias boas ou não, e que possamos também ouvir: "Ó, (...), grande é a tua fé!".

Se há alguém que ainda está como estrangeiro aos olhos de Deus, que hoje possa buscá-Lo, conforme diz Isaías 55:6, e Isaías 30: 18 [Bíblia Viva].

"6 - Busquem ao Senhor enquanto podem achar. Peçam sua ajuda, enquanto Ele está perto."

"18 - Mas o Senhor ainda espera que vocês voltem para Ele, para mostrar o quanto Ele os ama. Ele vai demonstrar o Seu amor com grande poder, porque o Senhor é um Deus justo e fiel. Felizes são as pessoas que dependem dEle."

Amém!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

...: Chá das Amigas - parte I :...


Graça e paz, amados! =]

No segundo sábado de cada mês, a igreja onde congrego tem uma atividade maravilhosa chamada Chá das Amigas. Neste dia, nós entoamos louvores, ouvimos e pregamos a salvação através de Cristo Jesus e depois, como temos que gastar nossa cota diária de 8.000 palavras [risos!], vamos ao Chá propriamente dito. =]

São momentos muito agradáveis onde podemos conhecer melhor as meninas que nos visitam, reforçar os laços de amizade entre as irmãs...todas saem de alma e corpo alimentados - muito bem alimentados, diga-se de passagem.

Como é bom poder parar, na correria do nosso dia-a-dia, para poder saborear as delícias da Palavra de Deus! Tirar um tempinho só para este relacionamento tão precioso! Mas, se podemos fazer isto também entre amigas, que maravilha é! =]

No último dia 12, o Senhor me abençoou com este estudo - que compartilhei com as amigas, e agora compartilho com vocês.

No amor de Cristo Jesus,

Andreia
.
.
.
O valor da persistência

Leitura: Mateus 15: 21 a 28 e Marcos 7: 24 a 30

O dicionário define a palavra Persistir como perseverar, conservar-se firme e constante num propósito, continuar, manter e permanecer.

Na história que lemos, gostaria de destacar [e aprender cada dia mais!] a ser perseverante como esta mulher, que a Bíblia não menciona o nome, somente sua origem: grega, siro-fenícia, habitante das cercanias de Canaã.

Com isto, fica claro que esta mulher era estrangeira, alheia não somente aos costumes mas, principalmente, às promessas do povo eleito de Deus, Israel.

A Bíblia nos informa que ela tinha uma filhinha que era atormentada por demônios. A mulher, ao ouvir falar de Jesus Cristo e, certamente, do que Ele era capaz de fazer, vai em busca dEle, com o objetivo de receber a cura para a criancinha.

No verso 22, de Mateus 15, é relatado que esta mulher clama, ou seja, ela grita, implora pela ajuda, mas Cristo não responde. Um comentário bíblico informa que Tiro e Sidom são cidades litorâneas do Mar Mediterrâneo, fora da terra de Israel. Quem já esteve perto do mar, ou mesmo de um rio, sabe que os sons ficam como que amplificados.

Então, pensem nesta mulher, gritando, implorando por ajuda neste cenário? Uma mulher estrangeira? Cristo não respondeu, mas os discípulos pediam (v 23, Mt 15): "despede-a". E ela continuava gritando atrás deles.

No verso 24, vemos que Cristo responde aos discípulos, e não à mulher. No verso seguinte, quando ela finalmente O alcança, ela se ajoelha aos pés de Jesus - se humilhando ainda mais - e apresenta seu pedido, de modo simples e direto: "Senhor, socorre-me!", está em Mt 15:25. Em Mc 7:26 diz que ela pediu que expulsasse o demônio de sua filha.

Mas, quando Cristo fala com ela, é como se um balde de água cheio de gelo a atingisse num dia frio (veja o verso 26). Mas, ela não desiste!! (v 27)

Em Mt 15: 28, toda a humilhação e dor desta mulher são recompensados: desde àquela hora a filha foi curada, e em Mc 7: 29 e 30, diz que a mulher constatou este milagre ao chegar em casa, e encontrar a filhinha deitada na cama.
.
.
.

...: Continua :...



quarta-feira, 16 de setembro de 2009

...: Compartilhando - conclusão :...

...: Conclusão :...

Uma quinta razão: sou dizimista porque assim me disciplino. O dízimo me disciplina a ter um orçamento, a cuidar dos meus bens, a pôr o coração na minha igreja (não estou pastoreando no momento – sou ovelha de meu irmão, o Pr Isaías Gomes Coelho), me faz saber que uma parte de meus bens está comprometida com um ideal espiritual.

Disciplina-me espiritualmente por me ensinar (ensino sempre provado) que aquele valor será suprido por Deus, de outra maneira. Por outro lado, reconheço que os dízimos devem ser bem administrados pela igreja. É dinheiro para a obra de Deus. Não pode ser malbaratado.

Preguei em uma igreja no exterior e almocei com um irmão que tinha, em época da supervalorização do dólar, um dízimo de dez mil dólares. Ele estava em crise, querendo aplicar o dízimo em outro lugar. Sua igreja não sustentava um missionário sequer, não tinha uma congregação e sequer um ponto de pregação.

Mas queria climatizar a quadra de esportes.

Alegando ser estrangeiro, de outra cultura, esquivei-me de opinar e desviei a conversa. Mas eu também agiria como ele.

O dízimo é santo na essência, na origem, na entrega, e deve ser santo no uso. Erra a igreja que esbanja recursos em banalidades, e não na obra. Mas o membro da igreja deve ser dizimista. Eu o sou.

Isto não é mérito ou ostentação. É apenas um fato corriqueiro, tão natural, que sequer deveria ser mencionado. E se o fiz foi porque muita gente me pediu opinião sobre o dízimo após ter assistido um vídeo no Youtube combatendo-o.

Agora sim, é ostentação. E com júbilo santo! Os que não querem devolver o dízimo, façam como meu filho Beny. Ele tem um sonho: chegar ao ponto de reter o dízimo para si, e dar 90% para o Reino.

Se você acha que o dízimo não é para a igreja, dê mais que ele. Afinal, os privilégios e a responsabilidade de viver sobre a graça são maiores.”

Referências complementares sobre o tema:

(a) II Co 9 – (b) III João versos 5 a 8 – (c) Ageu 1: 3 a 11 – (d) Pv 3: 9.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

...: Compartilhando - parte II :...

...: Continuação :...

Uma terceira razão é que ser dizimista é ser coerente. Creio que tudo vem das mãos de Deus ( 1 Cr 29:12), e não de meu esforço ou habilidade pessoal independente dEle. Creio que, se quiser, Ele pode me fechar as portas ou me inviabilizar para ter meu sustento. Sendo dizimista, reconheço Sua bondade e quero mostrar que dependo dEle.

Seria falso se disesse que o valor do dízimo não me faz falta. Mas seria falso se não reconhecesse que com o dízimo honro a Deus, mostro minha dependência dEle, minha confiança de que assim como Ele me sustenta há décadas, continuará sustentando. Quero mostrar coerência entre minha fé e minha maneira de lidar com o dinheiro.

O fariseu do tempo de Jesus dava o dinheiro, mas não dava o coração. O fariseu contemporâneo dá o coração, mas não dá o dízimo. Não quero ser um fariseu de ontem, efetuando um ato legalista, sem amor. E não quero ser um fariseu de hoje, fazendo declarações pomposas nos cânticos, mas sonegando a contribuição.

Uma quarta razão: ao ser dizimista, reconheço que estou fazendo o mínimo. O Novo Testamento [NT] não estipula o dízimo e faz apenas cinco declarações sobre ele. E nenhuma é uma estipulação. Em Mateus 23: 23 e Lucas 11: 42, textos paralelos, Jesus censura os fariseus dizimistas. Não por serem dizimistas, mas por não darem o coração. Faziam-no legalisticamente.

Em Lucas 18: 12, o dízimo é citado na parábola do fariseu arrogante, que o usava para se enaltecer. Em Hebreus 7: 2 e 4, o dízimo é mencionado num contexto teológico de submissão de Abraão a Melquisedeque, tipos do sacerdócio judaico e do sacerdócio de Cristo.

O NT mostra que de nós se espera mais que o dízimo. Espera-se tudo: "Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-Me." (Mt 19: 21). Como domesticamos o evangelho e amoldamos Jesus à nossa perspectiva de vida, não entendemos que Ele espera que tudo seja dEle.

"Então José, cognominado pelos apóstolos Barnabé (que quer dizer filho da Consolação), levita, natural de Chipre, possuindo em campo, vendeu-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos" (At 4: 36 e 37). Barnabé deu todo o valor e, mesmo assim, não se julgou "acionista majoritário" da igreja.

Era servo de Cristo Jesus, servo da igreja. Deu todo o valor.

Note-se ainda o elogio de Jesus à viúva que deu uma ínfima, em termos quantitativos: "Vindo, porém, uma pobre viúva, lançou dois leptos, que valiam um quadrante. E chamando Ele os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deu mais do que todos os que deitaram ofertas no cofre; porque todos deram daquilo que lhes sobrava; mas esta, da sua pobreza, deu tudo o que tinha, mesmo todo o sustento." (Mt 12: 42 - 44).

Avaliamos nossas ofertas pelo que damos. Jesus avalia pelo quanto ficou conosco. Elogiou a mulher porque não ficou com nada, deu tudo.

Nunca vi alguém ser contra o dízimo porque quer dar mais que dez por cento.

...: Continua :...

Compartilhando - parte I


Abaixo segue um estudo muito bem elaborado pelo irmão Isaltino Gomes Coelho Filho, e publicado originalmente no Noticiário Evangélico – informativo das Igrejas Neo Testamentárias.

Em tempos de “unção financeira para quem se dispõe a doar R$ 900,00, recebendo totalmente grátis uma certa bíblia", entre outras coisinhas mais, espero que aprendam tanto quanto eu.


“Eu sou dizimista”


O dízimo é uma questão discutida entre nós. É aceito pela maioria dos membros da igreja, embora nem sempre esta o pratique. É contestado por alguns. Em meus anos de membro de igreja e de ministério pastoral nunca vi uma só pessoa se opor a ele porque queria dar mais. Os oponentes o são por dar menos ou não dar nada.

Queda-me a impressão que os combatentes do dízimo se sentem incomodados em dar seu dinheirinho para a igreja.
Não tenho interesse em debater a questão. Sou dizimista. Prazerosamente. Sinto-me realizado quando vou à frente devolver meu dízimo (dízimo não se dá, nem se paga; devolve-se) .

E não quero converter alguém ao “dizimismo”. A recusa em praticá-la será acertada com Deus. Mas alistarei as razões pelas quais sou dizimista. Quem não as aceita, tudo bem. Mas, assim como não recebe meus argumentos, não me dê os seus. Dispenso-os. Sou feliz em ser dizimista.


Entendo que o dízimo não é questão de doutrina. Discutir se é da Lei ou da graça não me é relevante. Nem me abalo com a ideia de que não está expresso no Novo Testamento. O primeiro dizimista foi Abraão (Gn 14: 18-20). Ele não viveu sob a Lei, que veio 430 anos depois dele (Gl 3: 17, 18). Dízimo não é criação da Lei.

Outro argumento, em linha oposta, é que o dízimo era praticado em religiões pagãs, antes de ser incorporado à Lei.

A oração também era praticada por pagãos, inclusive pelos defensores de Baal (I Rs 18: 26 e seguintes). Os cânticos também eram oferecidos às falsas divindades. Em 'a epopéia de gilgamesh' (personagem de 2700 d.C) há orações, músicos e ofertas às pseudodivindades.

Recusar-se ao dízimo, alegando que estava entre pagãos, e gostar de cantar, de “ministrar louvor”, que também havia entre os pagãos, me soa incoerente.

Minha primeira razão para ser dizimista é que dízimo é questão de vida espiritual. Fui batizado no dia em que completei 15 anos, e um mês depois me senti vocacionado para o ministério. Adolescente, ajoelhei-me ao lado da minha cama e entreguei a vida a Jesus. Se dei a vida, porque não daria 10% do meu salário? Quem deu o maior, dá o menor.

Ao dar a vida como um todo, dei a vida material a Ele. Sou dizimista porque me dei a Jesus. Dediquei a Ele minha vida, meu casamento, meus filhos, meus talentos, que são o tudo, como não daria o pouco que são os 10% do que ganho?


Minha segunda razão para dar o dízimo é que dízimo é questão litúrgica, ou seja, é um ato de culto.
Nosso cristianismo mundanizado, moldado pela cultura de nossa sociedade materialista, entende que culto é receber coisas de Deus. Assim é que muitos de nós vamos à igreja, para receber ânimo, orientação, apoio, bênçãos. Não é errado, porque precisamos de tudo isto. Mas se é só por isto, estamos mal. Culto não é para pedir.

Culto é dar. “E ninguém apareça perante mim de mãos vazias” - Êx. 23:15.
Culto é um ato de amor a Deus. E amor não são palavras, mas dar. “Deus amou o mundo de tal maneira que deu...”. Quem ama, dá. Quem cultua, dá. Mesquinhos é que só querem receber e apenas pedem. Ser dizimista é cultuar com bens, não apenas com palavras.

...:Continua:...

sábado, 12 de setembro de 2009

...: UD - parte II :..

...: Continuação :...

(6) Será que estou lembrando que o Espírito Santo habita em mim, e que ele está comigo o tempo todo? O Espírito Santo se alegra com o que faço?

I Co 6: 19, 20 – Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. [Bíblia da Mulher, Ed, Atos, Edição Revista e Corrigida, Fiel]

Ef 4: 30 – Não façam o Espírito Santo entristecer-se pelo modo como vocês vivem. Lembrem-se que é Ele quem garante que vocês estarão presentes naquele dia quando a salvação do pecado se completar. [BV]

(7) Será que o que eu estou fazendo com minha vida condiz com a vida de um filho de Deus?

Fp 1: 10 e 11 – pois eu desejo que vocês sempre vejam com toda clareza a diferença entre o certo e o errado, e que sejam intimamente puros, para que ninguém possa censurá-los desde agora até que o Senhor volte.
Que vocês possam estar sempre fazendo aquelas coisas boas e benéficas, que combinam com a condição de um filho de Deus, pois isso resultará em muito louvor e glória ao Senhor. [BV]

(8) Tenho certeza de que estou semeando para o Espírito e não para a carne?

Gl 6: 7 – Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. [NTLH].

I Co 6: 12 – Alguém pode dizer: “Eu posso fazer tudo o que eu quero”. Pode, sim, mas bem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa”. Mas não vou deixar que nada me escravize.

(9) Será que a minha vida influência positivamente a vida de outro irmão? Ou ele se escandaliza?

I Co 8: 9, 12 e 13 – Mas tenham cuidado para que essa liberdade de vocês não façam com que os fracos na fé caiam em pecado.
Desse modo, pecando contra o seu irmão e ferindo a consciência dele, você estará pecando contra Cristo. Portanto, se o alimento faz com que o meu irmão peque, nunca mais vou comer carne a fim de que eu não seja a causa do pecado dele. [NTLH]

Ler, ainda, Rm 14: 13 – 23 [NTLH].

(10) Será que após todos estes filtros eu ainda tenho dúvidas?

Rm 14: 23 – Mas quem tem dúvidas a respeito do que come é condenado por Deus quando come, pois aquilo que ele faz não se baseia na fé. E o que não se baseia na fé é pecado. [NTLH]

(11) Passei por todos os filtros, não há pecado, mas será que não tem aparência de mal?

I Ts 5: 22 – Abstende-vos de toda a aparência do mal. [Bíblia da Mulher, Ed, Atos, Edição Revista e Corrigida, Fiel]

Amados, oro para que vocês tenham sido tão exortados quanto eu fui, ao relembrar este estudo, que finaliza nos alertando a não ser legalistas, tampouco permissivos.

Que o Senhor nos ajude, com Sua misericórdia infinita e graça incomparável! Em Cristo Jesus agradeço e suplico, Pai! Amém!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

...: UD - parte I :..



Em 2002, recebi um estudo num retiro de jovens, pelo ministério do Pr. Peter [da Neo da Villa Kellen] chamado “11 filtros para medir minhas atitudes”.

Que o Senhor nos ajude a usar estes filtros diariamente...

(1) Será que isto trará honra e glória a Deus?

I Co 10:31 – Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. [NTLH]

(2) O Senhor aprovaria esta atitude?

Cl 3: 17 – E tudo o que vocês fizerem ou disserem, façam em nome do Senhor Jesus e por meio dele agradeçam a Deus, o Pai. [NTLH]

(3) O Senhor Jesus Cristo fez isto? Ou será que Ele faria isto?

I Pe 2: 21 (b) – Cristo, que sofreu por vocês, é o seu exemplo. Sigam em seus passos. [BV]

[NTLH] – O próprio Cristo sofreu por vocês e deixou o exemplo, para que sigam os seus passos.

(4) Se o Senhor Jesus Cristo voltasse hoje, eu me agradaria do que estivesse fazendo?

I Jo 2: 28 – E agora, meus filhinhos, permaneçam em comunhão feliz com o Senhor a fim de que, quando Ele vier, vocês tenham certeza de que tudo vai bem, e não tenham de que se envergonhar e nem fugir de encontrá-Lo. [BV]

(5) Quando chegarmos ao Tribunal de Cristo qual será nosso galardão? Serei envergonhado ou galardoado?

II Co 5: 10 – Porque todos nós temos de nos apresentar diante de Cristo para sermos julgados por Ele. E cada um vai receber o que merece, de acordo com o que fez de bom ou de mau na sua vida aqui na terra. [NTLH]


...: Continua :...

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

...: Transplante de coração :..


O coração é um dos órgãos vitais do nosso corpo - através dele, todo o corpo recebe oxigênio e demais substâncias necessárias para seu correto funcionamento.

Às vezes, por conta de alguma doença grave, ou também falta de cuidado de nossa parte, precisamos nos submeter a um transplante, ou seja, temos que trocar o coração doente por um novo e saudável para que possamos viver.

O coração é tão importante para nossa existência que é citado mais de 100 vezes no Antigo e no Novo Testamento, sendo o termo usado para explicar o que acontece conosco de acordo com as emoções ou sentimentos, pensamentos e ações que vivemos - como é possível ver em Pv 4: 23, 15: 13, 28: 26 e Mt 6: 21. [ver Almeida Corrigida e Revisada Fiel]

A Palavra de Deus também diz outras características do coração do Homem, em Jr 17: 9. O Senhor sabe como é o nosso coração porque Ele nos fez e pode nos examinar, como vemos no verso 10 desta referência.

O coração do Homem, assim, enganoso e perverso está doente e precisa de cura - e só Deus pode curá-lo: Ezequiel 36: 26 e 27 [se puder, invista na leitura do capítulo todo].

Deus pode fazer este transplante em nós, não para que tenhamos mais tempo de vida, mas sim para que tenhamos vida abundante - da Sua graça, amor, cuidado, misericórdia...

Para se submeter a este transplante Ele diz, em Pv 23: 26a:
Dá-me, filho meu, o teu coração... Deus não nos força a nada. Pelo contrário, Ele mostra como nosso coração está doente e oferece o único e melhor remédio para curá-lo.

Cabe a você, leitor que ainda não aceitou a Cristo Jesus, a opção de doar seu coração, a sua vida - tudo! - a Quem realmente pode cuidá-lo. Que o Senhor abra seus olhos, e te dê entendimento para tomar este passo rumo a Ele. Amém!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

...: Sal da terra:...

Leitura recomendada: Mt 5: 13 e Mc 9: 50

O Senhor Jesus Cristo nos diz que somos sal, e aqui Ele menciona um dos
quatro aspectos do sal que pretendo destacar.

O primeiro, conhecido, é que o sal confere sabor. Para salgar um alimento, o sal precisa estar em contato com este alimento. Assim é o crente em Cristo Jesus: vive no mundo, mas não é do mundo. Seu caráter e seu comportamento, transformados pelo Salvador, devem destacar, fazer diferença no lugar onde Ele o colocou.

O sal também é usado para pureza e preservação dos alimentos. Quando os peixes eram levados de Cafarnaum para Jerusalém, eram salpicados de sal para que se mantivessem limpos e preservados de deterioração. Sendo sal da terra, temos que exercer uma influência de limpeza e preservação nas vidas ao nosso redor.

E isto tudo o que falei está intimamente ligado com a última característica que gostaria de destacar: o sal dá sede. O bacalhau é salgado para conservação e pureza. Quando chega às mesas brasileiras, porém, precisa ser colocado de molho em água fresca e limpa, caso contrário, fará com que as pessoas fiquem muito sedentas.

Se fazemos com que nosso próximo fique sedento, temos que lhes mostrar as fontes das águas da salvação - salvação da morte e condenação eterna, que é o que todos merecemos, por conta dos nossos pecados [tudo aquilo que pensamos, fazemos e falamos e que não agrada a Deus...é um conceito utilizado com crianças, mas igualmente eficiente para adultos].

Jesus Cristo deu a Sua vida na cruz, pagando com Seu sangue o preço que nossos pecados mereciam, a fim de sermos salvos da condenação futura [cada vez mais presente...].

É fácil salgar - denunciar o erro, condenar o comportamento imoral, manter-se puro, não se contaminar? Não, não é. Mas, Deus está conosco, indo adiante de nós, dirigindo-nos e auxiliando-nos nas nossas fraquezas [Fp 1: 5 e 6, Cl 1: 28 e 29 e 2: 6 e 7 - NTLH]

Que possamos nos fortalecer em Cristo, tendo ousadia para salgar onde for preciso. Ajude-nos Senhor, dependemos de Ti, e Te suplicamos que sejamos achados dignos de Ti, em nome de Cristo Jesus oramos, Amém!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

...: Juventude trans :...

O Senhor graciosamente me instruiu nesta mensagem, que compartilhei com o grupo de jovens da igreja onde congrego, há mais de um ano. Glórias a Deus porque Sua Palavra é sempre viva e eficaz! =]

Espero que seja de bênção para você também!

.
.
.

Fiquei pensando muito o que falar para os jovens. Afinal, já estudamos tantos perfis de jovens da Bíblia, como Moisés, José, Davi...

Daí me perguntei: e como foi a juventude de Jesus Cristo?

A única referência que temos na Bíblia, e que será o condutor do estudo, está em Lucas 2: 39 a 52.

Nos tempos modernos em que vivemos, até os 30 anos somos [ou gostamos] de ser considerados jovens. Contudo, a única parte sobre a juventude de Jesus Cristo é um relato de seus 12 anos.

Por que não há mais relatos da juventude de Cristo?

Aprendi que não podemos falar com certeza assuntos que a Bíblia não trata com clareza. Assim, não vamos entrar em especulações. Mas, há um Provérbio [22:6] que diz: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele”.

Então, seguindo este raciocínio – do que se aprende na infância ou juventude permanece para nossa vida adulta – vamos ver algumas características de Jesus Cristo quando jovem:

(1) Crescia, e se fortalecia, enchendo-se de sabedoria (v 40):

Pv 1: 7 diz que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria [ou conhecimento]. Sabedoria, no contexto bíblico, é o entendimento da Palavra de Deus, e não acúmulo de informações.

O temor, ou reverência respeitosa, de Deus é o primeiro passo para alcançarmos esta sabedoria, e o entendimento divino para nossas vidas.

(2) A graça de Deus estava sobre Ele (v 40b):

Achei dois novos significados para a graça de Deus em nossa vida:

  • O amor de Deus, que salva as pessoas e as conserva unidas a Ele;

  • A influência sustentadora de Deus, que permite que a pessoa salva continue fiel e firme na fé.

Sem depender e clamar pela graça de Deus, não imagino como possamos nos manter nos Seus propósitos para seguí-Lo como convém.

(3) Estava no Templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os (v 46):

Queridos, vocês acreditam que Jesus Cristo não teve amigos, da sua idade, que falavam para Ele brincar, ou se distrair com outras coisas?

Apesar de toda tecnologia que dispomos, nossos problemas continuam os mesmos: que profissão escolher, com quem namorar e casar, como viver e ser feliz...

Seja entre a população mais rica, seja entre a mais pobre, as necessidades humanas essenciais, como amar e ser amado por exemplo, são as mesmas, e para estas [e todas as outras!] a resposta está na Bíblia.

Enquanto vemos cada vez mais jovens bebendo, fumando, consumindo drogas – em busca de 'diversão', 'aventura', ou 'aceitação' entre os seus pares - ou como dizemos no jargão evangélico, seguindo cada vez mais o curso deste mundo, Cristo estava no Templo, ouvindo o que os doutores da Lei [os nossos irmãos mais velhos, jovens!] tinham a dizer e interrogando-os, creio eu que para esclarecer e ser esclarecido.

E, cabe destacar, ninguém desprezou a Cristo por ele ser tão jovem, como podemos conferir no v 47.

Acredito que isto aconteceu porque viram no Seu procedimento, comportamento e falar, um profundo e sincero comprometimento com Deus.

(4) Estava tratando dos negócios do Pai (v 49):

Jesus Cristo, definitivamente, não estava nem um milímetro comprometido com as coisas deste mundo. Teve 'oportunidade' para isto? Teve!

Em Mt 4: 8 a 11, vemos como Ele foi tentado, mas resistiu na Palavra e no conhecimento que tinha de Deus Pai.

Vejo que hoje este é um dos maiores problemas que as igrejas, ao tratar de jovens, enfrentam. Queremos que nossos amigos tenham um encontro com Cristo, mas há divergências sobre o que fazer para trazê-los para a igreja.

Amados, eu creio que Jesus Cristo nos aceita como estamos. Em Mc 2: 13 e 14, vemos Cristo chamando Levi, que é Mateus, para seguí-Lo, e este levanta-se e O segue.

Mas a convivência e, principalmente, o conhecimento de Cristo o transforma, e ele não permaneceu o mesmo. Se fosse para permanecermos os mesmos, não teriam sentido as passagens de Lc 9: 23, II Co 5: 17 e Gl 2: 20.

Irmãos, outra passagem diz que Cristo deixou suas pisadas para que O seguíssemos [I Pe 2: 21, ver tbém I João 2: 6]. Recusemo-nos a adaptar os costumes que vemos ao nosso redor para que os jovens venham a igreja. Vamos buscar a transformação pela Palavra e não nos conformemos com este século, como diz em Rm 12: 1, 2 – assim, poderemos experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus para nós. [recomendo, ainda, a leitura de Rm na versão da Bíblia Viva].

(5) O jovem Cristo sujeitava-Se à autoridade estabelecida [ v 46, 47 e 51a]

Queridos, outra coisa que têm prejudicado os jovens nas igrejas: trazemos os conceitos mundanos de ousadia e irreverência - que, em sua essência, se manifesta na igreja como rebeldia e insubordinação.

Devemos nos submeter às autoridades estabelecidas por Deus a nós: nossos pais, presbíteros, professores, chefes...porque Deus mesmo os colocou nesta posição, conforme Hb 13: 17.

O resultado disto tudo:

Crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça para com Deus e os homens (v 52).

Queridos, se queremos crescer em nossa caminhada com Jesus Cristo, devemos e podemos seguir o exemplo que Ele nos deixou.

.

.

.

Seguindo-O seremos transformados. Desprezando-O seremos transviados – ou, como ensina o dicionário: 1. que se transviou; desencaminhado, extraviado. 2. Desviado do caminho da moral ou da justiça.

Juventude transviada, além de ser o nome de um famoso filme, é uma expressão empregada para designar certas associações de jovens que, por falta de assistência familiar, se desviam para a prática de atos criminosos.

Tenho certeza que você já ouviu falar que as más companhias corrompem os bons costumes...

Então, como você quer marcar sua juventude? Eu já fiz a minha escolha. Faça cuidadosamente a sua! As consequências serão eternas!


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

...:5 motivos:..



Oie! =]

Ontem de noite, vi um estudo muito bom sobre Neemias 8:10, que nos lembra que a alegria do Senhor é a nossa força, e como as circunstâncias ou mesmo o inimigo tenta nos fazer tristes, desanimados, abatidos - porque, deste jeito, ficamos parados e não avançamos junto com nosso Pai.

Hoje, além de ter achado este estudo muito oportuno, me lembrei de uma frase, que tem na Bíblia da mulher, da ed. Atos, que diz algo sobre lembrarmos de 5 motivos para agradecer a Deus, e assim, não haverá lugar para a tristeza e aborrecimentos.

Eu vou colocar abaixo os meus - que superam os cinco fácil, fácil...quer compartilhar comigo os seus? Adoraria saber! =]

Andreia =]

1) A salvação em Jesus Cristo;
2) Ter uma família [física - Mame e papito, amigos - e espiritual - irmãos em Cristo] que me ama e me suporta [tanto de dar suporte, quanto de suportar as chatices mesmo];
3) O céu de outono;
4) O canto dos pássaros;
5) Dormir.


P.S.: Encontrei esta foto no google, e perdi a referência....se alguém souber, me avisa? ;]

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

...:Havia uma pedra no meio do caminho:...

Oie! =]

você gosta de escrever? Eu adoro mas, confesso, tem horas que bate uma preguiça.... =}

Com o MQV estou tentando me disciplinar novamente [geralmente rabisco o que estudo e depois transcrevo para o blog], e também realizar um desejo antigo: digitalizar os estudos que, na infinita misericórdia, Deus me julgou digna de compartilhar com os membros da igreja onde congrego nestes anos em que estou caminhando com Ele.

Relendo alguns, deparei-me com este, e o Senhor novamente falou ao meu coração. Ah, Palavra viva e eficaz! É uma adaptação de um estudo de um famoso Pastor da Assembléia de Deus, elaborado nos tempos em que ele costumava usar um volumoso bigode...

Bom, espero que esta leitura seja um bálsamo para o seu coração.

.

.

.

Você já levou uma pedrada? Ou sentiu como se tivessem lhe atirado uma? Às vezes, algumas circunstâncias na nossa vida são como pedradas, que nos machucam e podem nos fazer tropeçar e cair.

E porque levamos pedradas dos outros? Geralmente, são 4 motivos: inveja, ciúmes, vingança ou intolerância.

No Novo Testamento, nos capítulos 6 e 7 de Atos dos Apóstolos, vi um exemplo vitorioso de alguém que levou muitas pedradas, mas não se deixou vencer por elas.

As pedradas contra Estevão foram motivadas pela mentira [At 6:13], injustiça, desprezo, rejeição e calúnia [At 6:12]. Seus acusadores o odiavam [Atos 7:54]. E qual a causa destes sentimentos?

Em Atos 6: 5, 8 a 15 vemos a respeito de Estevão:

  • Era cheio do Espírito Santo (v 5), de fé e de poder (v 8), sendo usado por Deus para fazer milagres;
  • Era cheio de sabedoria (v 10) – e não é possível resistir a sabedoria divina [o sentido de resistir, aqui, é o de não ter argumentos] - Pessoas que não estão satisfeitas com quem são, com o que fazem, têm ou vivem, desenvolvem sentimentos como inveja e ciúmes – e nossos sentimentos se manifestam em atos concretos.
  • Era consagrado e santo – ou seja, era dedicado ao serviço de Deus, afastando-se dos maus costumes deste mundo. [Gostei de uma observação de santidade muito bacana explorada pelo Rubinho Pirola no excelente Genizah, e que você confere aqui];

O que me deixou mais triste neste relato bíblico é ver que estas pedradas surgiram entre pessoas que temiam a Deus e que buscavam a Sua presença – veja, havia judeus e cristãos.

Em At 5: 34 a 40a, Gamaliel, que era um doutor da Lei, aconselhou os membros do Sinédrio de que não interferissem no que era feito, porque se o trabalho fosse de Deus eles não poderiam desfazê-lo – e que eles não fossem contados com os que combatiam contra Deus.

E diz a Bíblia que eles concordaram com ele, mas não por muito tempo...

Voltando à Estevão, vemos que sua vitória foi a preparação dada pelo Espírito Santo de Deus:

  • Ele era cheio de fé – vendo o invisível, crendo no incrível e recebendo o impossível;

  • Ele era cheio do Espírito Santo de Deus [At 1:18, 6:5] – que nos capacita a resistir às pedradas;

  • Ele conhecia a Palavra [At 7:2 a 53] – ele conseguiu descansar, tanto no enfrentamento ao Sinédrio, quanto no apedrejamento;

  • Ele manteve sua visão nas coisas do alto [At 7:55] – ele conseguiu olhar para além das circunstâncias. Olhou, esperou e confiou em Cristo – que não estava alheio ao seu sofrimento [At 7:56].

Ciente de que o Senhor estava vendo e controlando toda aquela situação, Estevão invoca o Senhor e perdoa seus inimigos [At 7: 59]. Não é fácil, mas não podemos deixar de perdoar.

A versão da Bíblia Viva, de II Co 2: 11 diz:

Outra razão para perdoar é não deixarmos satanás, com a sua astúcia, obter vantagens sobre nós, pois bem sabemos o que ele está procurando fazer.

Em Hebreus 12:15 somos alertados de que não devemos deixar que nenhuma raiz de amargura brote e nos prive da graça de Deus.

As pedradas físicas tiraram a vida física de Estevão. Mas ele não perdeu a visão da grandiosa e incomparável glória de Deus, e sua história é um exemplo de fé que vence o mundo – esteja ele fora ou dentro da igreja.

.

.

.

Senhor, ajuda-me a contornar a pedra!

No amor de Cristo Jesus, Senhor e Salvador nosso,

Andreia =]