quarta-feira, 13 de outubro de 2010

...: Primeiros passos [conclusão] :...



O Pr. André Queiroz, cujo trabalho conheci através do twitter, postou duas frases recentemente que me chamaram muito a atenção, e que reproduzo ipsis literis a seguir:

'Acredito que a igreja precisa ser mais graciosa, mas também percebo q as pessoas que caem no pecado, amam se fazerem de vítimas do legalismo'

'Vou abrir o coração agora: Como um líder jovem, estou com dificuldade em encontrar referencias e pessoas para me espelhar aqui no Brasil...'

Como outros irmãos, tenho me entristecido com o comportamento observado no meio dos jovens cristãos que, como bem notado pelo Pr. André, costumam justificar seus atos como resposta ao 'legalismo' das igrejas.

Mas, não é curioso que também nas igrejas "liberais" não seja fácil encontrar liderança jovem?

Especialmente ao ler o tweet sobre liderança, o Senhor trouxe a minha memória a carta de Paulo ao jovem Timóteo. Em 1 Timóteo 4:12, Paulo diz: "Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê exemplo dos fiéis, na Palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza". [grifo nosso]

A versão da Bíblia Viva diz:

"Ninguém faça pouco caso de você porque ainda é moço. Seja o exemplo deles; que sigam o caminho que você ensina e vive; seja modelo para eles no seu amor, na sua fé e na pureza dos seus pensamentos". [grifo nosso]

O próprio Senhor Jesus Cristo dá a todos, jovens ou não, o exemplo de fruto, de ações, que glorificam o nome de Deus [Filipenses 2: 5 - 8 e 12]. Os tempos mudaram, mas a Palavra de Deus continua viva, infalível, fiel, digna de toda a aceitação.

Se não há liderança jovem, porquê não buscar a direção do Senhor para se tornar este instrumento nas mãos de Deus? Não nos concentremos no título - pastor, presbítero, ministro*, etc, mas no serviço ao Senhor e na edificação de Sua Igreja.

E não somente para o jovem Timóteo, mas praticamente em todas as Cartas do Novo Testamento, somos exortados - animados, incitados, aconselhados** - que, para uma vida frutífera precisamos estar ligados em Cristo Jesus [João 15], e cheios [Efésios 5:18], guiados [João 16:13; Romanos 8:14], vivificados [2 Coríntios 3:6] pelo Espírito Santo de Deus.

Concluo este pensamento com a leitura de Hebreus 6: 1 - 12, transcrito na versão da Bíblia Viva, abaixo:

"1 - Paremos de estar voltando repetidamente aos mesmos assuntos antigos, sempre ensinando aquelas primeiras lições sobre Cristo. Em vez disso avancemos para outras coisas e nos tornemos amadurecidos no nosso entendimento, tal como devem ser os cristãos fortes. Certamente não precisamos falar mais acerca da insensatez de alguém tentar salvar-se por ser bom, nem sobre a necessidade da fé em Deus.

2 - Vocês não necessitam de mais instruções em torno do batismo, dos dons espirituais, da ressurreição dos mortos, e do juízo eterno.


3 - Se Deus quiser, avançaremos agora para outras coisas.


4 - Não adianta nada procurar novamente trazê-los de volta ao Senhor, se já uma vez vocês compreenderam a Boa Nova e experimentaram por si próprios as coisas boas do céu, e participaram do Espírito Santo,


5 - e sabem como é boa a Palavra de Deus, e sentiram as forças poderosas do mundo que está para vir,


6 - e depois vocês se voltaram contra Deus. Vocês não podem tornar a se arrepender se pregaram novamente o Filho de Deus na cruz ao rejeitá-Lo, exibindo-O à zombaria e à vergonha pública.


7 - Quando a terra de um lavrador recebeu muitas chuvas e surgiram boas colheitas, aquela terra obteve a bênção de Deus sobre ela.


8 - Porém se continuar dando safras de ervas daninhas e espinhos, essa terra é considerada imprestável, e está pronta para ser condenada e queimada.


9 - Caros amigos, muito embora eu esteja falando assim, na realidade não creio que se aplique a vocês o que eu estou dizendo. Estou certo de que vocês estão produzindo o bom fruto que acompanha a salvação de vocês.


10 - Porque Deus não é injusto. Como é que Ele pode esquecer-Se do trabalho incansável de vocês por Ele, ou esquecer-Se do modo pelo qual vocês costumavam mostrar o seu amor por Ele - e ainda mostram auxiliando os seus filhos?


11 - E a nossa preocupação é que vocês continuem assim mesmo, amando os outros enquanto a vida durar, a fim de que recebam a sua recompensa completa.


12 - Então, sabendo o que está guardado para vocês lá adiante, vocês não se cansarão de ser cristãos, nem se tornarão espiritualmente insensíveis e indiferentes, mas estarão ansiosos para seguir o exemplo daqueles que recebem tudo quanto Deus lhes prometeu por causa do vigor da sua fé e da sua perseverança."


e orando, como Paulo em Colossenses 1: 10, para que todos andemos "[...] dignamente diante do Senhor, agradando-Lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus".

No amor e temor de Cristo Jesus, Senhor e Salvador nosso,

Andreia =]


----------------------------------------------------------------

* Entendo o importante papel, somados ao profundo amor e cuidado, que o Senhor Deus confiou à nós mulheres em todas relações sociais, e especialmente no serviço cristão. Contudo, não fui biblicamente convencida que cabe posição de liderança às mulheres - explorarei este tema em outro post, aguardem! ;]
De qualquer sorte, estou muito mais preocupada em bem servir ao meu Senhor e Mestre, do que em ter um título de 'pastora', 'adoradora', ou seja lá qual for. Particularmente, acredito que não deva se servir mais, ou menos, ao Senhor por conta de um título, posição ou destaque - ainda mais para o Deus que sonda nossos corações, e não vê como o homem vê. [1 Samuel 16: 7]

** Conceito de exortação extraído do dicionário Aurélio Digital, versão 5.12.81.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

...: Primeiros passos [parte 2] :...


Sabemos que, em nós mesmos, não há nada para nos fazer produzir tal fruto, o que também já fora predito em Romanos 7: 14 - 25.

E embora existam pessoas que acreditem, não há geração espontânea de fruto - só há fruto se os ramos estiverem conectados, ligados ao tronco, ou a árvore. Em João 15, o Senhor Jesus Cristo nos instrui claramente sobre este fato. Vale a pena ler todo o capítulo, mas para este estudo em particular, vamos nos concentrar no verso 4, aqui transcrito na versão da Bíblia Viva:

"Fiquem firmes em Mim, e deixem-Me viver em vocês. Pois um ramo não pode dar fruto quando está separado da videira. Nem vocês podem produzir separados de Mim".

Não sei quanto a vocês, mas sempre tive comigo que estes frutos mencionados em João estaríam relacionados somente àqueles de Gálatas 5: 22 e 23, quais sejam: "[...] amor, gozo, paz, longanimidade, bondade, benignidade, fidelidade, mansidão, domínio próprio [...]".

Já aprendi, porém, que não é assim. E que tanto o fruto do Espírito como o fruto do arrependimento só serão produzidos por aqueles que estão permanentemente ligados a Deus, por meio de Cristo [1 Timóteo 2: 5], selados com o Espírito Santo [Efésios 1: 13, 14].

Os frutos do Espírito e da Luz [Efésios 5:9] podem ser produzidos em todos os momentos da vida do crente - desde a infância até à velhice, estando suas condições físicas e materiais boas ou não. Já o fruto do arrependimento surge quando da conversão e após alguma queda [Atos 3: 19, 2 Coríntios 7: 10].

Ou deveria surgir...

Na primeira parte deste estudo, comentei minha ignorância - graças a Deus já superada - em relação à compreensão do fruto de arrependimento. Com profunda tristeza vejo, ou melhor, não vejo frutos, ou ações, que indiquem qualquer sinal de arrependimento, tanto em irmãos que têm caído quanto entre aqueles que levam uma vida dupla - uma na igreja, outra no mundo.

Embora a palavra proferida pelos lábios sugira arrependimento, suas ações não sugerem tal consciência, lamento e desejo de abondonar o erro.

Mateus 7: 16 - 18, em uma das versões tradicionais diz:

"
Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons." [João Ferreira de Almeida, Corrigida e Revisada Fiel, grifo nosso]

Na versão da Nova Tradução na Linguagem de Hoje, diz:

"
Vocês os conhecerão pelo que eles fazem. Os espinheiros não dão uvas, e os pés de urtiga não dão figos. Assim, toda árvore boa dá frutas boas, e a árvore que não presta dá frutas ruins. A árvore boa não pode dar frutas ruins, e a árvore que não presta não pode dar frutas boas." [grifo nosso]

Ainda gostaria de destacar a versão da Bíblia Viva, de Mateus 7: 16, que diz:

"Vocês podem descobrí-los pela maneira como agem, tal como podem identificar uma árvore pelo seu fruto. Vocês nunca confundirão uma videira com um espinheiro! Ou figos com cardos!". [grifo nosso]

Como Adão, percebo que há, entre estes irmãos, uma ênfase em responsabilizar o mundo, as circunstâncias da vida, o meio onde vivem, a política, os outros, o diabo [até existe o famigerado ditado que diz que "o diabo são os outros"]....e uma crescente tendência em se isentar, em livrar-se da responsabilidade pessoal de seus atos, e por conseguinte da consequência destas ações, diante do Corpo de Cristo, a Igreja, e principalmente diante do Senhor Deus.

Creio, sinceramante, que a trave em seus olhos é tamanha que não somente não percebem seu próprio ferimento, como não compreendem como este ferimento machuca e compromete o Corpo de Cristo.


...: Continua :...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

...: Primeiros passos [parte 1] :...

Ainda hoje existe uma coleção de livros de bolso chamada Primeiros passos. Li alguns deles por ocasião da elaboração da monografia para conclusão da graduação em Economia, época em que dava os primeiros passos no Caminho. =]


Primeira convertida em casa, vivia sob o "fio da navalha" como se diz, porque não é fácil se livrar de maus pensamentos, que geram hábitos, atitudes e costumes errados de um dia para o outro, não é mesmo?

Bem diz a Bíblia que somos transformados de glória em glória [conforme 2 Coríntios 3: 18], mas, até avançar nesta caminhada, muito martelava na minha cabeça a Palavra de Mateus 3: 8, que diz: "Produzi frutos dignos de arrependimento".


"Mas que frutos, ou ações, seriam estas?", eu pensava. Em Lucas 3: 10 - 18, vemos João Batista explicando isto para aqueles que o seguiam. Que alívio saber que eu não era a única confusa - e que tristeza ao constatar que o homem não mudou muito em milênios...

Hoje, porém, sei claramente porquê era difícil entender esta verdade: eu não me arrependia [todas as vezes que cometia um erro contra alguém - e geralmente cometemos um erro contra outro]. E, se não há esta consciência do erro, por parte de quem o pratica, consequentemente não há arrependimento, tampouco pedido de perdão.

Como se fosse pouco, não somente costumamos não reconhecer nosso erro, como temos a tendência de culpar o outro - o que vêm desde a queda do homem [veja Gênesis 3], onde Adão joga a culpa por ter desobedecido ao Senhor Deus em Eva, "a mulher que me deste" [Gênesis 3: 12].

Então, somada à desobediência e a transferência de responsabilidade, temos que o homem começa a questionar ao Senhor. Mas Deus, amoroso e compassivo que é - aleluia! - demonstra em Cristo Jesus Sua vontade em nos ter de volta, reconciliados com Ele [Colossenses 1: 20; João 3: 16 - Ele deu o Seu único Filho; Romanos 5:8 - Ele prova o Seu amor para conosco...].

Como já compartilhei aqui, a batida de João 15: 16 foi determinante para que eu abrisse a porta do meu coração ao Senhor Jesus Cristo. Este verso diz: "
Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda".

O começo da minha história. O primeiro fruto tinha que ser de arrependimento que, para mim, são ações que demonstram minha consciência do erro, um sincero lamento por tê-lo cometido e o firme desejo, o propósito de não mais repetí-lo.

... Continua...