terça-feira, 7 de junho de 2011

...: Firme na Rocha - parte I :...

Há pouco mais de um mês, um dos presbíteros da igreja onde congrego compartilhou conosco alguns detalhes da construção de um local de reunião, em um bairro da cidade onde moramos.

Além das diversas exigências feitas pela prefeitura, ele - engenheiro civil de formação - informou que o terreno tem um leve declive, e que antes de começar a construção é preciso acertar o solo.

Lembrei-me, então, do hino 59 do hinário que utilizamos, chamado Hinos e Cânticos, cujo título é Firme na Rocha. Em sua primeira estrofe, diz: "Que alicerce tens para construir, uma casa que possa resistir, essa tempestade que assoprará e a mal fundada casa abaterá?"

E também recordei de I Coríntios 3: 9 - 15 - uma passagem em que me detive por muito tempo no começo da carreira cristã, mas que só há pouco tempo comecei a entender de fato.

A versão Almeida Corrigida Revisada e Fiel tem este trecho como segue:

"Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus.

Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.

E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.

Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. e a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo."

Este trecho é precedido pela advertência de Paulo sobre preferências ou partidarismos na igreja, e traz um alerta para cada crente, como é possível conferir nos versos 10 a 12 deste capítulo.

Entendo que o alimento espiritual que concorde com a Palavra de Deus, ainda que não seja algo com o qual esteja acostumada, ou seja da forma que eu prefira, deve ser recebido com ações de graças.

Não sei se Paulo, ao afirmar que somos lavoura de Deus e edifício de Deus considerou os textos bíblicos que tratam da parábola do semeador - Mateus 13: 1-23; Marcos 4: 1-20 e Lucas 8: 4-18, e da Videira e os ramos - João 15.

O fato, porém, é que há um avanço na ideia dos solos: uma vez que o alicerce da Palavra foi bem estabelecido, o que tem sido construído? Pensando em lavoura, se o solo recebeu boa semente, que fruto têm dado?

...: Continua :...

Nenhum comentário: