domingo, 15 de julho de 2012

...: Nem sempre tem um tesouro... :...


2] O conteúdo do espaço virtual encontra respaldo na Bíblia, e/ou em autores de indubitável caráter cristão, ou apóia-se exclusivamente na opinião pessoal do administrador e/ou colaboradores?

É claro que um espaço virtual tem a opinião ou as impressões que seu administrador e colaboradores têm de um determinado assunto, do cotidiano, da fé, de qualquer coisa que se queira compartilhar, enfim.

Entretanto, qual é a base? Quais são os fundamentos que sustentam os argumentos, as ideias? Se você não encontrar quaisquer referências bíblicas no texto ou não lembrar de nenhuma passagem que corrobore tal ideia, ainda resta um outro método eficaz para saber o real arcabouço das propostas  contidas no material divulgado: o uso persistente do “eu”.

“Porque eu acho”, “Porque eu duvido”, “Porque eu sinto”, “Porque eu não sinto” ... O problema, obviamente, não reside no uso das expressões em si, mas quando estas são deliberadamente utilizadas para sustentar ideias ou opiniões que constituem clara afronta ao que ensinam as Escrituras.

Meditemos em Provérbios 18: 2, 7, 20, 21.
“O tolo não tem prazer na sabedoria, mas só em que se manifeste aquilo que agrada o seu coração. [...] A boca do tolo é a sua própria destruição, e os seus lábios um laço para a sua alma. [...] Do fruto da boca de cada um se fartará o seu ventre; dos renovos dos seus lábios ficará satisfeito. A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto”.

Na versão da Bíblia Viva, os versos 2, 7, 20 e 21  de Provérbios 18 ficam assim:
O homem que não tem bom senso não quer saber das realidades da vida; quer apenas viver na base de suas emoções. [...] Sim, as palavras do tolo acabam destruindo sua vida; ele arma armadilhas contra si mesmo com o que fala. [...] Sempre temos que comer o fruto das palavras que semeamos. Nossas palavras têm poder para construir ou destruir nossa vida. Quem usa bem suas palavras receberá benefícios em troca”.

A sabedoria não pode ser entendida como acúmulo de conhecimento mas, sim, como temor do Senhor, o desejo de aprender a Sua Palavra, viver a Sua vontade para servi-Lo e ao Reino. Vejamos os Provérbios 1:7 e 19:8.

"O temor do SENHOR é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução". Provérbios 1:7
"Mas como é que um homem se torna sábio? Em primeiro lugar, respeitando e obedecendo ao Senhor. Somente os tolos se recusam a ser ensinados e desprezam a sabedoria". [Bíblia Viva]

"O que adquire entendimento ama a sua alma; o que cultiva a inteligência achará o bem". Provérbios 19:8


Entendo que um espaço virtual que se apresente cristão deveria, notadamente, apontar para Cristo Jesus, para Sua vitória por nós na cruz, para o amor e a misericórdia de Deus, renovados dia após dia sobre nossas vidas, para o que o Senhor, na Sua graça, têm feito em nossas vidas, e por meio de nossas vidas, e não para o ‘eu’

Autoelogio, autocomiseração e autoconfiança são exemplos e sinais de alerta.


"Que um outro te louve, e não a tua própria boca; o estranho, e não os teus lábios". Provérbios 27:2


...: Continua :...

Um comentário:

Luciano Santos disse...

Batuta mesmo! Para se (re)pensar algumas coisas...