domingo, 26 de agosto de 2012

...: Pai nosso - parte I :...


Há alguns dias, ministrei uma palestra de finanças para um grupo de brotinhos, como eu carinhosamente chamo o grupo da melhor idade, do Sesc [Serviço Social do Comércio] aqui da minha cidade. 

Aqueles homens e mulheres com tanta experiência de vida, sem palavras, me ensinaram muitas coisas naquele dia e uma delas compartilho aqui com os amados.

Antes de começarmos nossa prosa naquele dia, fizemos uma oração - a conhecida oração do Pai Nosso, registrada no livro de Mateus, capítulo 6, versos 9 a 13. Preparando este estudo, descobri que, em Jerusalém, existe um prédio com mais de cem cerâmicas com as palavras desta oração, em vários idiomas. 

Poderíamos dizer, como percebi com os brotinhos, que é uma oração conhecida, repetida e respeitada pelos povos espalhados no mundo, de boa parte dos credos, ou daqueles que confessam a Deus como Pai.

Ouvir pessoas tão diferentes dizerem, em uníssono, 'Pai Nosso', pode dar uma impressão de unidade, resultado de  voluntariamente abrir mão das preferências pessoais em troca de algo, ou no caso, Alguém, maior. As guerras e perseguições mundo afora nos mostram, porém, que a unidade em torno do Pai não é tão simples ou fácil assim.

Quando oramos Pai nosso que estás no céu, devemos entender que Deus é real, vivo, e tem todo o poder e autoridade sobre nossas vidas - considere Mateus 23:9 e I Pedro 1:17. 

Ao dizermos Santificado seja o Teu nome, louvamos, damos honra ao Senhor por Quem Ele é: "Santo, Santo, Santo", como diz Apocalipse 4:8. Não dizemos o nome do nosso pai terreno levianamente, ou sem propósito, razão. Então, quão melhor não deve ser nossa conduta diante do Senhor Deus?

Prosseguindo, dizemos Venha Teu Reino, seja feita a Tua vontade, assim na terra como no céu. Será que temos buscado a vontade do Senhor para nossas vidas? Confiamos que Sua vontade para nós é boa, perfeita e agradável, como está escrito em Romanos 12:2b? 

Para experimentar esta vontade do Pai, boa, perfeita e agradável, devemos renovar nosso entendimento do Pai, e só conseguimos isto nos achegando a Ele, lendo a Bíblia, com a direção do Espírito Santo de Deus.  Só assim encontraremos o propósito do Pai para nossas vidas.


A seguir, pedimos O pão nosso de cada dia dá-nos hoje que externa nossa dependência do Pai  - um Pai que é provedor, cuidador de Seus filhos. Têm sido assim desde o Antigo Testamento, como lemos em Gênesis 22:8, 14, como no Novo Testamento, em Filipenses 4:19.

...: continua :...


Nenhum comentário: